Sobre

História do grupo

Como surgiu, os caminhos percorridos

 

O GPPS foi criado em 2003 para viabilizar pesquisas relacionadas a saúde mental e à atenção psicossocial (SMPPS). À época a Reforma Psiquiátrica estava um pouco inerte em Santa Catarina e o grupo foi também um elemento importante para reanimar o debate sobre a reforma psiquiátrica no Estado. No ano seguinte o GPPS promoveu, em parceria com o Foro Catarinense de Saúde Mental o III Encontro Catarinense de Saúde Mental (ECSM) e a partir deste ano todos os outros ECSM.

Eventualmente os ECSM revestiram-se de importância nacional, pois estivesse avançando o projeto de estabelecimento dos serviços substitutivos, o movimento orgânico da RP na verdade estava algo inerte em todo o território nacional. O ECSM passou a ser um evento importante para reanimar este movimento, atraindo para Florianópolis atores sociais importantes, além de revigorar os debates sobre avanços técnicos e científicos e de animar o panorama social e cultural relativo à área da SMAPS.

Em 2006 o ECSM convocou-se simbolicamente como Encontro Sulbrasileiro de Saúde Mental e deste evento resultou um documento que apontava para a criação da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme), que teria como característica inovadora a interdisciplinaridade e intersetorialidade que refletia o campo da SMAPS como um todo, para além das associações vigentes, que são, em geral, de natureza unidisciplinar. Fundou-se então a Abrasme durante o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) em 2007 em Salvador, BA. Foi eleita uma diretoria, presidida pelo líder do GPPS, Pof. Walter Ferreira de Oliveira. A  comprometeu-se então a realizar o I Congresso Brasileiro de Saúde Mental, em colaboração com o GPPS, em Florianópolis em 2008. Posteriormente, o GPPS foi co-organizador de todos os outros CBSM e realizou um outro importante evento em colaboração com a Abrasme, o Fórum Brasileiro de Direitos Humanos, cuja 3ª edição foi realizada em Florianópolis em 2017

No terreno da pesquisa o GPPS também avançou. Além das pesquisas ligadas a dissertações de mestrado, teses de doutorado e trabalhos de conclusão de cursos de graduação, orientados pelos professores constituintes do grupo, uma pesquisa em particular se destaca, sobre Desinstitucionalização, iniciada em 2007 em colaboração com a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina. Este estudo gerou um relatório com recomendações para processos de desinstitucionalização no Estado, entregue à Secretaria de Estado da Saúde e ao Conselho Estadual de Saúde em 2011.

O GPPS participou ainda de pesquisas ligadas à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (sobre Hospitais de Custódia) e à Secretaria de Estado da Saúde – sC  (Censo dos moradores do Instituto de Psiquiatria de Santa Catarina (IPq).